''Quando acertamos ninguém se lembra, quando erramos ninguém se esquece''

terça-feira, 23 de agosto de 2016

BEM VINDO


Midday in the Alps, 1891. Segantini Museum (de), St. Moritz

Obra de Giovanni Segantini (1891)

Fonte da Imagem: https://en.wikipedia.org/wiki/Giovanni_Segantini

a Barreira da idioma

Fonte da Imagem: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Idioma_Chuj.JPG

ERA PARA SER UM ENCONTRO ENTRE AMIGOS, mas, algo estranho aconteceu.
Eu fui convidado para prestigiar um renomado professor que viria da Alemanha receber um título importante na cidade onde moro. No dia marcado para tal, acordei cedo e fui ao local do evento. Ao chegar no ambiente encontrei inúmeras pessoas ansiosas pela presença do mestre. Não demorou muito e ele chegou. Ao seu lado, inseparável, o tradutor, cuja figura se representava num outro renomado professor e amigo de longa data do homenageado. Pois bem, os dois entraram e se acomodaram. Todos ficaram em pé, então a cerimônia começou. Depois de muitas falas, elogios e palavras amigas, o professor homenageado falou, em alemão é claro. O tradutor nos deixou a par daquilo que acontecia frente ao púlpito. Quando a fala acabou, todos foram convidados a participarem de um coquetel, que seria oferecido na parte de baixo do prédio. Fomos para lá. No saguão, enquanto todos confraternizavam, não sabemos por que cargas da água o tradutor precisou se retirar por alguns minutos, eis que o inesperado aconteceu. Sem um elo de comunicação entre os presentes e o professor estrangeiro, o ambiente se calou por alguns instantes.
Eu não falo alemão, e ninguém ali falava, com exceção do tradutor; o mestre, por sua vez, não fala português e entende quase nada de inglês, eis o problema. Tentamos estabelecer um contato com mímica, mas ficou difícil, cansado de enxergar performances, o professor afastou-se para um canto, acomodou-se em um banco e ali ficou a observar. Todos que se aproximavam tentavam de alguma forma se comunicar com ele,  impossível daquela maneira.
Diante disso a importância da língua para a comunicação fica mais que clara. Imagino como os padres jesuítas penaram para estabelecer uma comunicação com os gentios que habitavam essa terra. Senti-me mal por alguns instantes por não poder oferecer hospitalidade melhor ao recém chegado das terras estrangeiras. Por fim, quando me preparava para ir embora, e me aproximei para a despedida, consegui me fazer ser entendido por ele. Não por uma palavra alemã que eu tenha aprendido de imediato, ou por uma expressão em inglês que ele compreendesse, mas, por um sorriso e o cumprimento com as mãos. Ao esticar a mão para o mestre, com um leve sorriso no rosto, ele sorriu, esticou sua mão e nos despedimos. Simples assim. Por um detalhe rememoriado em segundos, percebi que o sorriso ainda é universal.

domingo, 21 de agosto de 2016

BEM VINDO

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/flip-i-flap-lendo-estatua-curioso-184343/

BEM vindo ao ESPAÇO virtual

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/caveira-assustador-trevas-m%C3%ADstico-1003192/

sábado, 20 de agosto de 2016

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/flip-i-flap-lendo-estatua-curioso-184343/

POSSÍVEL discurso para a VITÓRIA

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/areia-pegadas-praia-costa-p%C3%A9-768783/

MUITO BEM, o jogo de futebol acabou, todo mundo falou, gritou, chorou, comemorou, mas... Aí vem a bala na cumbuca, o que o mundo ouviu depois da conquista no futebol ontem a noite?
''Agradeço a Deus e a minha família'', bonito, muito bonito.
''Os humilhados foram exaltados'', muito bom.
''Não serei mais capitão da seleção brasileira'', ótimo.
''Vocês vão ter que me engolir'', deixa o Zagallo ouvir isso.

ESTÁ CERTO, continuando, e para isso volto um pouco no tempo.
Quando Pelé fez o milésimo gol ele pediu para o mundo olhar as crianças, as crianças, que como cresci ouvindo, são o futuro do País. Mas por qual motivo ele disse isso? Porque sabia que o mundo estava olhando para ele, era um momento histórico.

Citei Pelé, mas inúmeras pessoas ao redor do mundo, em momentos grandiosos de suas existências disseram coisas relevantes que levaram muita gente a refletir sobre o que estava acontecendo. É claro que outros tantos disseram coisas absurdas, nada importantes, ou sem impacto algum. Por alguns momentos essas coisas absurdas também entraram para a História, como tudo aquilo que é registrado.
POIS BEM, ontem, ao conquistar a medalha de ouro inédita no futebol masculino, nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, o que poderiam ter dito os jogadores quando os holofotes do mundo apontassem para eles?

Tenho algumas sugestões.

AGORA, olhem para os outros esportes que também conquistaram medalhas sem o mínimo de recurso.
A PARTIR de hoje, invistam mais no esporte brasileiro durante todos os dias do ano.
ESPERO que a CBF invista no futebol feminino assim como investe no masculino.
PEÇO que o governo crie mais ações sociais esportivas para tirar as crianças da rua.
ACREDITO que cada atleta brasileiro que deu seu sangue por uma medalha nessa olimpíada, receba patrocínio para se dedicar mais aos treinamentos.

Por fim, é isso.

o fim

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/rio-2016-olimp%C3%ADada-pavilh%C3%A3o-brasil-1512655/

O FIM ESTÁ PRÓXIMO, mais precisamente, daqui a pouco; será na data de 21 de agosto que as Olimpíadas do Rio de Janeiro apresentarão a cerimônia de encerramento, ou como fora citado anteriormente, amanhã. Como disse a imprensa brasileira: ''os cineastas abriram, os carnavalescos irão fechar''. E depois de tantas medalhas, milhões de notícias, inúmeros tombos, e corridas, os jogos se aproximam do seu final. O mundo vai parar de novo, para que no final da tarde do domingo possam assistir ao encerramento das Olimpíadas 2016, a primeira realizada na América Latina. ''O mundo vai parar de novo'', muita pretensão minha não? Talvez sim, talvez não, depende do ponto de vista. Incidentes acontecem ao longo de grandes eventos, no entanto, depois da conquista de mais um ouro, refiro-me a medalha inédita ganha no futebol masculino, o Rio de Janeiro se prepara pra seguir sua vida normalmente. Pelo menos até setembro, quando as para-olimpíadas desembarcam no colo do Cristo Redentor e teremos mais uma maratona de jogos, medalhas, e lágrimas lançadas ao solo.
HOJE, a seleção brasileira ganhou duas medalhas de prata na canoagem. Os rapazes de Salvador remaram muito e deram conta de chegar colado com os alemães. Ganharam a prata, pela História de vida deles mereciam o ouro, mas a prata foi muito comemorada, e é muito bem vinda obrigado por perguntar. Depois veio o futebol. Brasil e Alemanha na final das Olimpíadas. A seleção nunca ganhou esse título, e por isso a imprensa do futebol estava gritando tanto. As meninas, creio eu que mereciam mais, não chegaram à final, assim são os jogos. Inúmeros jogadores de futebol que fizeram história no nosso País não conseguiram colocar esse título no currículo, coisas da trajetória. E agora, os vaiados chegaram a final e venceram. Amanhã, no último dia, podemos ganhar ainda o ouro no vôlei, e tenho muita confiança nisso, pois enfatizo o que eu sempre disse, o nosso País é o País do vôlei, não do futebol, mas, alguns milhões de brasileiros não pensam assim, então está tudo bem, obrigado por perguntar.
POR FIM, o que esse título do futebol faz na cabeça da galera? Creio que nada de muito explosivo a longo prazo, pelo menos irá durar até o próximo jogo. A alegria é momentânea, grita-se muito, fala-se muito e comemora-se muito, mas, segunda-feira, a vida continua. Talvez agora as piadas com o 7 x 1 da Alemanha na Copa diminuam um pouco, ou não. Somos brasileiros e somos os melhores em memes, chupa mundo! Talvez isso nos dê algum ânimo daqui pra frente quando enfrentarmos novamente esse pessoal da Europa.
Por outro lado, o que isso faz na imprensa? Muita coisa, diga-se de passagem. A imprensa vive da última notícia no futebol, e por enquanto essa é a notícia, não a medalha de bronze no Tae Kwon Do, conquistada ontem a noite, logo após o fim do jogo no Maracanã. Nem o vôlei amanhã, ao ganhar a medalha de ouro, caso ganhe, tudo pode acontecer também, vai diminuir a quantidade de vezes que irão citar o futebol nos programas de esporte na segunda-feira, ou durante os próximos meses, para dar espaço a outra modalidade. Para a imprensa o Brasil é o País do futebol masculino, por isso é inadmissível perder. Não se investe milhões no futebol feminino, e pra imprensa está tudo bem, obrigado por perguntar.
COM A VITÓRIA da seleção masculina de futebol, por alguns instantes, a primeira medalha de prata das Olimpíadas, conquistada no tiro, ficou muito distante. Pouco patrocínio, pouco investimento, e muito pouca visibilidade; o que dizer dos outros esportes? A VIDA CONTINUA, e o futebol também.

domingo, 14 de agosto de 2016

BEM vindo

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/a-terra-globo-mapa-do-mundo-1179205/

e a VIDA continua

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/pa%C3%ADses-bandeiras-globo-pol%C3%ADtica-1295969/

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

BEM VINDO

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/olympia-2016-olympia-an%C3%A9is-ol%C3%ADmpicos-1562448/

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/vila-grama-ao-ar-livre-pa%C3%ADs-1478808/

o MUNDO fora da Vila

Fonte da Imagem: https://pt.wikipedia.org/wiki/Bonito_(Mato_Grosso_do_Sul)

MUITO BEM! Olimpíadas rolando no Rio de Janeiro, a imprensa preocupada com a Seleção Masculina de Futebol, que não está jogando nem um terço daquilo que valem as pulseiras do equilíbrio do jogador mais caro. A piscina anoitece azul e amanhece verde. Voluntários que não estão recebendo vale alimentação e não tem apoio algum pra continuar trabalhando, e começam a ir embora. É locutor da televisão brasileira que veste a camisa e começa a torcer euforicamente para os melhores atletas estado-unidenses, e por aí vai. Já temos duas medalhas, uma prata e um ouro. Jogos cada vez mais emocionantes, e o País só fala nisso. Interessante que quando acabam os jogos, a população não está nem aí para os atletas brasileiros, com exceção do futebol.
Isso mostra claramente que há escolhas no que pretendem mostrar. Óbvio. Não é novidade pra ninguém que a imprensa é chamada de ''quarto poder'', existe livro, filmes e incontáveis trabalhos falando sobre esse assunto. POIS ENTÃO, O que quero dizer com isso? Enquanto a TV só mostra os jogos, a vida continua lá fora. Por sua vez, muita coisa ruim ocorre o tempo todo, ligada a violência do mundo fora da Vila Olímpica. Ou seja, o que os canais de televisão amam transmitir, de preferência na hora do almoço, que é pra estragar a digestão de muita gente, não parou, toda hora está escorrendo sangue na calçada. A diferença é que agora não precisam mostrar isso, porque escolheram mostrar outra coisa. Interessante é que a audiência aumentou. Claro, é Olimpíada! Dirão meus dois leitores, e a próxima é só daqui quatro anos. Então digo-lhes, meus queridos dois leitores, se há alternativa para subir a audiência sem plantar o medo no telespectador, ou mostrar como vivemos num mundo selvagem, faça-o. E por qual motivo não o fazem? Sinceramente não sei.
SÓ ontem apedrejaram um ônibus com jornalistas que iam cobrir os jogos. Sem contar nas notícias que pipocam aos poucos, de atletas sendo roubados, fotógrafos que perdem equipamentos, segurança que estupra e por aí vai. Não vou colocar nenhum link que leve até o mundo lá fora, continuando.
ONDE QUERO chegar com isso? ESTOU torcendo para que as desgraças voltem ao noticiário? Não! Jamais! De maneira alguma. Está muito bom só mostrando esporte, reportagens bonitas, e de vez em quando um deslize que gera uma ponta de orgulho em quem está assistindo, e nos faça caminhar pela passarela novamente lembrando que de vez em quando erramos. O que quero dizer é: se está dando audiência do jeito que está, por que voltar com as desgraças depois do fim da festa? Por que voltar a esparramar sangue na mesa de todas as casas após setembro? Pela audiência? Lamento dizer, mas, não me convence mais.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

seja bem VINDO

Seleção da Inglaterra no primeiro jogo internacional de rugby em 1871.

Fonte da Imagem: https://pt.wikipedia.org/wiki/Rugby

9 de AGOSTO

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/lua-cheia-o-c%C3%A9u-de-noite-lua-1016592/

EM 6 de agosto de 1945, Hiroshima, no Japão. No dia 9 de agosto do mesmo ano, Nagasaki. As explosões mataram entre 90 mil e 166 mil pessoas só em Hiroshima, no ataque de 6 de agosto. O segundo ataque, no dia 9, entre 60 mil e 80 mil seres humanos foram mortos em Nagasaki. Um detalhe, metade dessas mortes ocorreram quando a bomba tocou o solo, as demais foram ocorrendo ao longo dos meses que se seguiram, devido as queimaduras, radiação e mais uma série de complicações radioativas. No dia 15 de agosto o Japão se rendeu. Em 2 de setembro assinaram o acordo de rendição.

BEM VINDO ao blog

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/rio-de-janeiro-2016-brasil-1177950/

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/an%C3%A9is-ol%C3%ADmpicos-olimp%C3%ADada-1120047/

e então, a OLIMPÍADA dos ACIDENTES começou...

Fonte da Imagem:https://pixabay.com/pt/rio-2016-olimp%C3%ADada-pavilh%C3%A3o-brasil-1515057/

E FOI de uma forma bacana, ou como disseram alguns críticos, ''bacaninha'', que tudo começou. A imprensa alemã criticou a festa na crise, a imprensa estado-unidense se irritou com Santos Dumont no lugar dos irmãos voadores, por fim, o presidente foi vaiado rapidinho, só durou o tempo da sua fala, e a tão esperada abertura das Olimpíadas Rio-2016 aconteceu. Claro que a quantidade de pessoas que gostou foi maior que aqueles que odiaram, normal, sempre será assim, em qualquer evento que se promova, faz parte do ser humano, por isso somos tão diferentes. O que me preocupa é que cada vez menos pessoas respeitam essa diferença, mas isso é assunto pra outra hora.
Logo no início dos jogos, o futebol masculino, com muito marketing, não jogando nada, enquanto o futebol feminino, com pouco marketing, jogando muito. O rapaz do tiro ganhou a prata, e paramos por aí. Ficamos com a prata por dois dias até que uma brasileira, do judô, ganhou o ouro, e o nosso Hino foi tocado pela primeira vez nos jogos, dentro das competições oficiais é claro. Não vale no início dos jogos, ou a torcida soltando o ''ouviram do Ipiranga'' a plenos pulmões, refiro-me a entrega da medalha de ouro.
Os organizadores da abertura disseram em entrevistas que em todos os ensaios os elásticos, puxados pelos índios na coreografia, arrebentou. O medo deles era que um desses elásticos arrebentassem durante a abertura valendo. Imagine? Seria o que faltava para quem não gostou da abertura falar cuspindo: ''olha aí! só podia ser brasileiro mesmo!!'' ou ainda o clássico, que já me cansei de ouvir ''que vergonha desse País! Só somos bons pra roubar mesmo''.

Fonte da Imagem: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:2016_Summer_Olympics_opening_ceremony_1035271-olimpiadas_abertura-1536.jpg

Índios na coreografia com os elásticos.

POIS BEM, mas os elásticos não arrebentaram. Suportaram direitinho todos puxões e repuxões dados pelos nossos irmãos índios, os verdadeiros donos desse País. Tudo foi perfeito? Não! Comentou um dos organizadores depois da festa, parece que alguém andou muito rápido, ou andou muito lento, enfim, coisas que só quem criou percebeu; quem estava assistindo, fora os que odiaram, gostaram bastante do que viram. Sem acidentes na estreia, seria um bom sinal?
Talvez sim, talvez não, depende do ponto de vista.
No primeiro dia de competições um francês quebrou a perna. Saltou e quando tocou o chão, o pé encontrou com a orelha, a esquerda, diga-se de passagem. Uma cena terrível. Imagens horríveis, que não convém postar aqui. A competição continua e no segundo dia, uma holandesa caiu de bicicleta e fraturou algumas vértebras da coluna. Outra cena horrível. A atleta fica imóvel, aparentando o pior. Horas depois, no hospital, divulgou uma nota dizendo que iria se recuperar. Tomara Deus. Por fim, terceiro dia de competição, uma atleta britânica caiu sobre o pescoço. Outra cena terrível. Quando vi pensei: minha nossa! Graças aos deuses do Olimpo, ela voltou a competição. Confesso que até agora estou pasmo com a recuperação da moça.
POR FIM, entramos no quarto dia de competições oficiais. Desde cedo penso que não precisamos mais de acidentes, não é Zeus? Espero contar contigo.
Por enquanto, devido ao nível dos acidentes mostrados na tela, bons ventos não estão soprando para aquelas bandas da Guanabara. Peçamos ao Olimpo que esses acidentes cessem, que os ventos desviem para alto mar, e que jamais um ataque terrorista ocorra; para frustração daqueles que sonham com isso desde o momento que Guga entrou correndo no Maracanã segurando a tocha olímpica.

domingo, 31 de julho de 2016

Fonte da Imagem: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Elefante_rosado.jpg

BEM vindo

Fonte da Imagem: https://pixabay.com/pt/caveira-estranho-cr%C3%A2nio-%C3%B3ssea-718455/

agosto

Fonte da Imagem: http://naoeamamae.ne10.uol.com.br/agosto-querido-melhore/

as OLIMPÍADAS do ESQUECIMENTO

Fonte da Imagem: http://htesports.com.br/2016/06/obras-e-o-legado-das-olimpiadas-rio-2016/

EMBORA TENHA uma galera falando mal, outros jogando pedras a torto e a direita, e por fim, uma minoria aplaudindo, sobretudo os meios de comunicação que compraram os direitos de transmissão e precisam recuperar o dinheiro investido, as Olimpíadas estão aí.
O vídeo abaixo mostra o momento em que o Comitê Olímpico Internacional, anunciou para os quatro cantos que o Rio de Janeiro seria a sede dos jogos Olímpicos de 2016. Reparem na festa dos cariocas.


Fonte: youtube.com.br

POIS BEM. O tempo passou, e como de costume, muito dinheiro foi investido, mas nunca era o suficiente; por fim, as obras não ficaram 100% prontas, e aquelas que foram entregues estão caindo há uma semana dos jogos, como ocorreu hoje. Veja notícia abaixo.

VENTOS FORTES DERRUBAM PRINCIPAL 

RAMPA DA MARINA DA GLÓRIA

Notícia completa em:
http://www.canalgama.com.br/ventos-fortes-derrubam-principal-rampa-da-marina-da-gloria/
Fonte da Imagem e do título da notícia, no mesmo endereço: http://www.canalgama.com.br/ventos-fortes-derrubam-principal-rampa-da-marina-da-gloria/

NESSE MOMENTO a culpa é do vento e do mar, e não da empresa que levantou a estrutura. Pois bem, continuando. Eu poderia relatar ainda as instalações da chamada Vila Olímpica, que está sendo difamada mundo afora por aqueles que estão por lá se acomodando, poderia falar da equipe de TV australiana que foi assaltada logo que começaram a trabalhar, poderia falar das frases do prefeito do Rio de Janeiro, que a cada letra comete uma gafe, mas não, vou comentar nas próximas linhas o esquecimento do povo brasileiro.
NO vídeo acima fica bem claro o momento de festa que o Brasil estava vivendo quando ocorreu a escolha da cidade carioca como sede. Desde então, tudo estava bem. Nossa economia caminhava por boas estradas e ninguém precisava se endividar muito para comprar comida. O tempo passou, a economia entrou em frangalhos, a presidente foi derrubada, um novo grupo entrou no poder. Cogitam a cada dia aumentar impostos e ''arrumar'' a Previdência, lembrando que isso vale para o povo, políticos pouco são citados nessas mudanças todas, então, o tempo andou, e as Olimpíadas chegaram.
PRONTO, era o que faltava num momento como esse. EIS então, que os protestos começaram.


Fonte: youtube.com.br

E é claro, em cima do protesto da galera, a imprensa internacional veio conferir qual é a da cidade. E vídeos começaram a ser produzidos sobre o que há na cidade maravilhosa.


Fonte: youtube.com.br

HUM, para encerrar, o que mais dizer?
NÃO CONSIGO encontrar uma explicação óbvia para isso, se não, um esquecimento natural daquilo que vemos em todos os anos de eleição no Brasil. O povo vota em algum candidato, e alguns meses depois não se lembra mais o nome do candidato que recebeu seu voto. Eu disse ''meses'' para ser bonzinho. Essa regra vale para quem vota para vereador, deputado ou senador. Presidente e governador uma parcela maior da população até que lembra, mas logo esquecem também. Sendo que, VIVER no mundo onde vivemos é encontrar culpados, culpo então dois fatores, Primeiro, esse esquecimento tão peculiar em nosso povo. Que primeiramente apoia veemente a escolha da cidade como sede das olimpíadas, e depois de muitas reviravoltas, reclamam com a mesma veemência dessa escolha. ALGUNS ainda irão dizer que ninguém poderia prever que o País entraria nessa crise, tudo bem, então pare de viver o momento e comece a ver importância e responsabilidade nas escolhas que fazemos. Isso vale também para a escolha de um candidato no momento do voto. Promover uma Olimpíada não é fácil, e a repercussão de um mínimo erro pode custar muita coisa. Ou será que a grande maioria pensou que era só uma competição pra ganhar a sede dos jogos, deixando Chicago chorar as pitangas, e depois que vencêssemos, tudo iria surgir por osmose no horizonte? Não. Ao ganhar o direito de sediar os jogos, seria preciso muito empenho, trabalho, dinheiro e responsabilidade com os prazos.
Segundo, pensar nas escolhas. Se num primeiro a grande maioria é levada pela emoção de competição, onde ganhar faz mais sentido que competir, num segundo momento, o custo dessa escolha é mais considerável. Se você vota num candidato que lhe ofereceu algo, que lhe prometeu algo, que fez algo de bom momentaneamente, sem considerar a ficha desse ser humano em sua vida pública até ali, pode estar cometendo o mesmo erro. Primeiro a emoção, depois a decepção. Assim ocorreram com os jogos, com a Copa do Mundo, e com muito outros eventos do passado, e que muito naturalmente irão ocorrer no futuro, pois não se pensa no depois. Não se pensa no que pode ocorrer a partir daquela escolha. Não se pensa como vai ser quando tudo acabar.
EU CRESCI ouvindo que o Brasileiro gosta de festa. O povo brasileiro é alegre. A população sempre dá um jeito de sorrir em todos os momentos. E confesso que nas ruas não vejo nada diferente disso, pois moro nesse País, e convivo com meu povo diariamente. Pois bem, a festa começará essa semana, na sexta-feira. NÃO tenho dúvidas que muitos irão festar e aproveitar ao máximo tudo que acontecerá nos meses de agosto, e setembro com a para-olimpíada, o que vou esperar pra ver é, quem vai ajudar a limpar a bagunça depois que tudo acabar. Uma coisa é certa, as despesas serão pagas pelo povo, tanto aqueles que festaram como aqueles que protestaram.

terça-feira, 26 de julho de 2016

pois bem, tá aí Eduardo.

Fonte: https://edusystemaustralia.wordpress.com/curiosidades/

Ela está chegando...

Fonte: http://blog.qualidadesimples.com.br/2012/08/06/olimpiadas-2012-londres-faz-ajustes-e-testa-seguranca/

segunda-feira, 4 de julho de 2016

BEM VINDO ao BLOG Chiclete de Carne Moída

Fonte: http://es.creepypasta.wikia.com/wiki/Lo_que_trae_el_calor

o mundo...

Fonte da imagem: http://rocketsolution.com.br/blog/charge-mundo-atual/

e aí...

Fonte da imagem: http://tecciencia.ufba.br/milly/olaa-que-bom-que-voce-veio/charge-sobre-desigualdade-social

então...

Esta charge do Duke foi feita originalmente para o Jornal O Tempo
Fonte da imagem: http://buritisonline.com.br/charge/charge-de-hoje

BRASIL, o País do Voleibol

Fonte da imagem: http://daniele-gross.blogspot.com.br/2010/11/historia-do-voleibol.html


HÁ MAIS OU MENOS TRINTA E QUATRO ANOS, ouvi a seguinte frase:
''O Brasil é o País do Futebol''.
POIS BEM, que futebol era aquele de trinta e quatro anos atrás? Era o futebol da Copa de 1982, onde uma super seleção brasileira não contava com os chutes de Paolo Rossi? Era o super time de 1986, que brilhou até encontrar a França pelo caminho? Por fim, aquela seleção elogiadíssima por tudo e por todos, deixou mais uma vez o mundial. Ou ainda, aquela seleção dos patrocínios de 1990, onde um chute argentino tirou o nosso time antes das quartas de final daquela mundial? Sim, até aí, o Brasil era o País do futebol. Depois ganhamos em 1994 e 2002, mas a seleção brasileira, com exceção de 2002, na minha opinião, não transmitia mais tanta segurança quando entrava em campo. O que mudou?
MUDOU a confiança, mudou a economia do País, mudou a forma de entender o avanço desse esporte. A nossa seleção continuou jogando no mesmo esquema. Sempre com uma repetição irritante de jogadores que não estavam mais com vontade de jogar, e pior ainda, sem amor à camisa e ao País que estavam defendendo.
POR OUTRO lado, as Olimpíadas de 1992 em Barcelona nos mostraram um outro esporte, até então ignorado pela massa de brasileiros, embora inúmeras conquistas já haviam sido apresentadas ao grande público, o voleibol não estava no gosto popular. O futebol ainda era o grande ator desse espetáculo.
E o voleibol? O voleibol chegou ganhando uma Olimpíada, coisa que o futebol brasileiro não conseguiu até hoje. E foi aí que o Brasil passou a olhar o voleibol como um esporte de orgulho.
QUANDO A SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL ganhou a prata nas Olimpíadas de Los Angeles, em 1984, os programas de esporte no Brasil falaram por uma semana no assunto, até deixarem de comentar o feito. Após 1992, a situação não mudou muito. Falaram por um mês da medalha de ouro e então pararam de comentar novamente, mas, enquanto o futebol caía por todos os lados, o voleibol vencia. Foram inúmeras vitórias, de campeonatos importantíssimos, um na sequência do outro. Vale lembrar que o vôlei não passou a ganhar somente depois de 1992, mas, passou a ser visto a partir de então. Paralelamente ao futebol, o voleibol sempre venceu campeonatos importantes ao longo de sua história, desde o início, tanto no masculino como no feminino.
Quando a Seleção brasileira de futebol perdeu no Maracanã, a Copa do Mundo de 1950, para o Uruguai, no ano seguinte, em 1951, no Campeonato Sul-Americano de Voleibol Masculino, o Brasil ganhou a medalha de ouro. Nesse mesmo ano de 1951 foi formada a Seleção Brasileira de Voleibol Feminino. Quando o nosso futebol saiu da Copa de 1954, o nosso vôlei ganhou o ouro novamente no Sul-Americano de 1956. Em 1958 ganhamos juntos, no futebol a Copa do Mundo na Suécia, no vôlei o ouro. Em 1959, o vôlei feminino do Brasil, ganhou o ouro no Pan-Americano realizado em Chicago nos EUA. Em 1962 novamente, futebol e vôlei ganharam o ouro. Em 1963 a seleção feminina de vôlei ganhou o ouro no Pan-Americano realizado em São Paulo. Quando a seleção brasileira de futebol deixou a Copa de 1966, o vôlei ganhou novamente o ouro em 1967. Em 1970 ganhamos a Copa no México, em 1971 nosso vôlei ganhou o ouro novamente. A partir de então no futebol, temos uma lacuna que vai de 1970 até 1994 sem vitórias. No vôlei masculino ganhamos o ouro no Campeonato Sul-Americano em 1971, 1973, 1975, 1977, 1979, 1981, 1983, 1985, 1987, 1989, 1991, 1993, 1995, 1997, 1999, 2001, 2003, 2005 e 2007.
Um massacre em números. Só com a Seleção Masculina de Voleibol ganhamos:
Nas Olimpíadas: 
Ouro em Barcelona (1992) e em Atenas (2004) 
Prata em Los Angeles (1984) e em Pequim (2008) 
Na Liga Mundial: 
Ouro (sete vezes campeão) em 1993, 2001, 2003, 2004, 2005, 2006 e 2007 
Prata em 1995, 2002 
Bronze em 1990, 1994, 1999 e 2000 
No Campeonato Mundial:
Ouro em 2002 e 2006 
Prata em 1982 
Na Copa do Mundo: 
Ouro em 2003 e 2007 
Bronze em 1981 e 1995 
Na Copa dos Campeões: 
Ouro em 1997 e 2005 
Prata em 1993 e 2001 
Na Copa América:
Ouro em 1998, 1999, 2001 
Prata em 2000, 2005, 2007 
No Pan-Americano:
Ouro em 1963 , 1983, 2007 
Prata em 1959, 1967, 1975, 1979, 1991 , 1999 e 2008 
Bronze em 1955, 1971, 1987 e 2003, 2006 
No Campeonato Sul-Americano:
Ouro em 1951, 1956, 1958, 1961, 1962, 1967, 1969, 1971, 1973, 1975, 1977, 1979, 1981, 1983, 1985, 1987, 1989, 1991, 1993, 1995, 1997, 1999, 2001, 2003, 2005 e 2007.
Com a Seleção Feminina de Voleibol ganhamos:
Nas Olimpíadas: 
Ouro em Pequim (2008) 
Bronze em Atlanta (1996) e em Sydney (2000) 
No Grand Prix:
Ouro (heptacampeão) em 1994, 1996, 1998, 2004, 2005, 2006 e 2008 
Prata em 1995 e 1999 
Bronze em 2000 
No Campeonato Mundial:
Prata em 1994 e 2006 
Na Copa do Mundo:
Prata em 1995, 2003 e 2007 
Bronze em 1999
POIS BEM, nossa Seleção Brasileira de Futebol não ganha há algum tempo. Perdemos em 1998, na final, para a França. Ganhamos em 2002, e quando tudo parecia que iria engrenar, perdemos em 2006. Perdemos em 2010. Trocamos o técnico, então, perdemos bonito em 2014, no famoso 7 a 1, que creio eu, não será esquecido tão cedo. Na sequência perdemos Copa América e atualmente corremos o risco de não nos classificarmos, pela primeira vez na história, para uma Copa do Mundo, a de 2018 na Rússia.
POR OUTRO LADO, o voleibol brasileiro continua ganhando e conquistando títulos, tanto o feminino como o masculino. EIS então que novamente a pergunta a tona: Por que raios o Brasil ainda continua sendo chamado de País do futebol e não País do voleibol?
A revista Super Interessante diz que o Brasil é o País do futebol porque ganhou 5 copas do mundo, mas esse conceito está mudando pouco a pouco, e muito lentamente.
Talvez a mídia nunca denomine o Brasil como o País do Voleibol, e continue insistindo na tese de que o futebol por ser a paixão nacional, e por ter ganho 5 copas do mundo, ainda seja o carro chefe dessa nação quando se trata de esporte. Podemos até concordar que seja uma paixão nacional, e que a massa, por sua vez, não deixe de idolatrar esse esporte por quantas goleadas a Alemanha nos impuser, mas, por outro lado, temos um esporte vencedor que massacra adversários com uma qualidade técnica e de garra incrível a cada jogada, a cada campeonato ganho, a cada ouro conquistado; o que resta agora ao vôlei brasileiro é ser abraçado pela massa e receber o devido valor da mídia brasileira, por que títulos e conquistas, esses os sobram para além de cinco.

Fontes de Consulta:
http://super.abril.com.br/ciencia/por-que-o-brasil-e-o-pais-do-futebol
https://pt.wikipedia.org/wiki/Sele%C3%A7%C3%A3o_Brasileira_de_Voleibol_Feminino
https://www.google.com.br/search?q=voleibol&biw=1024&bih=667&source=lnms&tbm=isch&sa=X&sqi=2&ved=0ahUKEwirptrVt9vNAhXFlZAKHTTtC4IQ_AUIBigB#imgrc=kfVbcwtH-Do4-M%3A
http://2016.cbv.com.br/quadra/historico-de-resultados.html#
http://2016.cbv.com.br/
https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20090601171911AAiC6nl

domingo, 12 de junho de 2016

bem vindo TERRÁQUEO

Fonte da Imagem: http://noticias.uol.com.br/album/2013/03/19/frio-pelo-brasil.htm

frio

Fonte: google.com.br/ http://www.imgrum.net/tag/humorgamer